top of page

CURITIBANICES: O PRÉDIO HISTÓRICO DA UFPR

Você sabia que o prédio da UFPR já foi cor-de-rosa?

Imagem de Manuel Rosa de Almeida

Na entrada da Academia de Platão estava escrito: Que ninguém, exceto os geômetras, entrem aqui. Tal era a importância que Platão conferia aos estudos matemáticos. O lema da Universidade Federal do Paraná é: Scientia et Labor. Bem, os tempos são outros. A academia de Platão era um clube restrito, numa época em que havia escravos e a transmissão do conhecimento era quase integralmente oral. A nossa universidade surgiu dos esforços de Victor Ferreira do Amaral e Nilo Cairo, entre outros, com o objetivo de oferecer aos paranaenses um centro de formação profissional de excelência. Hoje, mais correto seria chamá-la multiversidade, tamanha é a variedade de ciências abordadas e de pessoas que a frequentam.


O prédio histórico da UFPR é especial, aquilo que chamamos de ícone. Em 1999, numa promoção da Prefeitura Municipal em parceria com o Banco Itaú, foi eleito como símbolo da cidade de Curitiba, superando atrações mais recentes, como o Jardim Botânico e a Ópera de Arame, por exemplo. Escolha justíssima e sábia do povo curitibano. Afinal, nada representa melhor nossa cidade do que este prédio.


Sua construção data de 1913, um ano após a fundação da Universidade, fruto da mente do engenheiro militar Baeta de Faria. Inspirado nos clássicos, embora com estilo eclético, o querido prédio era um tanto diferente no início do século XX. A obra original consistia em apenas um bloco de cinco andares, coroado por uma cúpula que já não existe. Ao que consta tinha fins meramente decorativos e causava sérios problemas de infiltração. Outros asseguram que sua construção visava projetos de estudos astronômicos; como tais projetos nunca se desenvolveram e a cúpula causava infiltrações, amputaram-na.

Imagem de Manuel Rosa de Almeida


A inauguração se deu em 1914, embora a obra somente fosse concluída anos depois - coisa de políticos. Quando a estrutura tornou-se pequena para a florescente universidade, adicionaram-se os prédios laterais no curso dos anos 1923/1926. Posteriormente houve nova ampliação, para receber o curso de medicina e o prédio foi pintado de branco. Isso ocorreu em 1940. Que cor era antes? Acredite, curitibano, por cerca de 26 anos o prédio da UFPR foi cor-de-rosa. A versão atual do prédio, sem a cúpula e com a escadaria que conhecemos, é de 1950, quando o prédio passou a ocupar toda a quadra.


Hoje, sinceramente, não é possível imaginar a Praça Santos Andrade sem o prédio histórico da UFPR. Assim como não se pode imaginá-la sem o Teatro Guaíra. A conjugação de ambos, neste espaço amplo, arejado e pontuado por araucárias, faz da Praça Santos Andrade o ponto mais simpático de Curitiba, em minha opinião. E mais importante, talvez, pois aponta para alguns valores esquecidos no momento, como educação, ciência e cultura.



Comments


bottom of page