top of page

FESTA UDENISTA NA REITORIA

Houve uma época em que presidentes da República confraternizavam com professores. E falavam português.

Imagem de pixabay



1954 foi um ano memorável para a Universidade do Paraná. O ano letivo se encerrou com uma sessão solene da Assembléia Universitária (a congregação de professores). O Presidente da República, Café Filho, e os ministros da Saúde e Viação e Obras Públicas estiveram presentes. Foi entregue o título Benemérito da Universidade do Paraná ao Governador Bento. A sessão foi presidida pelo Reitor Flávio Suplicy de Lacerda.

Enfim, um convescote dos mais ilustres próceres udenistas, em um país conflagrado e dividido entre getulistas e lacerdistas, petebistas e udenistas, a famosa esquerda versus direita que desde sempre assola o país. Getúlio havia morrido quatro meses antes, e com sua morte, a ofensiva lacerdista tinha sido derrotada. Curitiba, sempre conservadora, recebeu de braços abertos o presidente que sucedeu Getúlio, e que, no ano seguinte, estaria no turbilhão dos golpes e contragolpes para impedir a posse do presidente eleito, Juscelino.

Mas, nesta ocasião, flores, homenagens e baile de gala – o presidente Café Filho veio para a inauguração do Palácio Iguaçu, que aconteceu no mesmo dia (19 de dezembro) – uma festa de arromba - o receberam na Reitoria.

Que tempos, aqueles! Um presidente da República se dava ao trabalho de comparecer a uma chatíssima sessão solene de prestação de contas de um reitor de universidade, e receber rapapés de professores universitários. Eram tempos em que senhores conservadores, que professavam um credo liberal, todos falavam português, ao contrário do dialeto assemelhado que é usado hoje por figuras públicas. E usavam roupa de gala (Bento e Café Filho), provavelmente porque em seguida iriam ao baile chic no Palácio Iguaçu.

Retrato do clima da época, é, no contexto sempre solene da universidade, o caráter aguerrido dos discursos. Café Filho bradou: “Urge encerrar, entre nós, o ciclo das místicas providenciais e da crença em soluções milagrosas.”. O professor Munhoz de Mello, falando em nome da congregação, disse que “o povo brasileiro ... dispõe-se ao sacrifício em prol do restabelecimento da verdadeira democracia no Brasil...” Nesta mesma toada foi o Reitor Flávio Suplicy, que disse: “As universidades brasileiras têm para elas o destino de manter uma obra de fé. Isto, porém, que não implique na crença ingênua de constantes milagres de salvação nacional, ou na suficiência pedante e sem conteúdo de uma elite que ... acabou sendo decepcionante fracasso...


Não era preciso dizer quais seriam as soluções milagrosas, de salvação nacional, e a qual democracia se referiam. O fantasma de Getúlio pairava sobre todos.

Mas a festa destinava-se à prestação de contas do Reitor. E aqui trago algo sabido de todos que frequentaram a Universidade Federal do Paraná. O homem era incrivelmente operante. Nada sei dele na cátedra (ele lecionava Resistência dos Materiais na Engenharia), mas como administrador, saiam de baixo, rapazes. Nunca houve, e provavelmente nunca haverá, na Universidade Federal, um administrador mais operoso e eficiente que ele. Federalização da universidade? Ele liderou o movimento. Não fosse isso, nossa universidade continuaria sendo uma pobre iniciativa da província pobre. O prédio da Praça Santos Andrade, o bloco da Reitoria, o Hospital de Clínicas, o bloco da CEUC e RU, o Centro Politécnico, todas iniciativas dele, e todas inauguradas por ele. Há mais, muito mais. A partir de seu reinado, em 1949, que durou praticamente até sua retirada, com um pequeno intervalo em que esteve à frente do MEC, sua iniciativa transformou a universidade, de um pequeno conglomerado de escolas isoladas, em uma das maiores universidades do Brasil.

A radicalização política vigente no Brasil – ele sendo um Lacerda, naturalmente liderou um dos lados, pós 64 – o transformou em um demônio a ser derrubado, como fizeram com sua estátua, hoje felizmente restaurada pela Reitoria. (Não gosto que derrubem estátuas e queimem livros).


No Relatório do ano de 1954, leio que, para a reforma e ampliação do novo prédio da Santos Andrade, a reitoria convidou três firmas construtoras, tendo selecionado uma delas, a de condições mais vantajosas”. (A firma escolhida foi a Iwersen, Loyola & Pierri). Em outra concorrência, a única firma proponente (Gutierrez, Paula & Munhoz) apresentou um preço “que foi tido como exagerado pela comissão designada”. Consultada, a firma concordou em dar um desconto de 6%, desde que houvesse, por parte da universidade, concordância com atualização dos preços, se comprovada alteração dos preços dos materiais e da mão de obra, “para mais, ou para menos”.

Simples assim.

O Brasil já foi um país de cavalheiros.


Entre os alfarrábios esquecidos na estante, pinço o Anuário da Universidade do Paraná de 1954. Eu o adquiri em um sebo, e registro aqui que foi, antes de cair no mundo e nas minhas mãos, propriedade do Prof. Ralph Hertel, que o carimbou. Aliás, no anuário, consta o seu nome entre os docentes da Universidade, cadeira de Botânica. A Universidade do Paraná, em uma Curitiba de 183 mil habitantes, é outro daqueles milagres a que estávamos acostumados, e que perdemos, no mar de mediocridade em que o Brasil afundou.

2 Comments


Um belo texto sobre momentos da história do Paraná! Parabéns Hatsuo!

Like

Vitor Moreschi
Vitor Moreschi
Jun 26, 2022

Belo artigo. Bom resgate da memoria desse tempo antes do "mar de mediocridade" . Parabéns Hatsuo

Like
bottom of page