top of page

PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS

O Proslógio de Santo Anselmo propõe-se a isso e mais.


Imagem de Laila_ por Pixabay

Imagine que você é um monge do Século XI e está determinado a provar a existência de Deus. Mais do que isso: você quer provar - por meio da razão - a existência do seu Deus, o Deus cristão. E isso implica demonstrar algumas questões de fé bem complicadas, tal como havia feito, em obra anterior, no que se refere à Santíssima Trindade. Esta ousada tarefa pretendeu Santo Anselmo em seu Proslógio.


Claro, o monge em questão não era uma mente comum, ordinária. Santo Anselmo, além de muito estudo e cultura filosófica, era dono de uma mente muito acima do vulgar. Segundo Schopenhauer, Santo Anselmo foi o precursor do argumento ontológico da existência de Deus, argumento posteriormente elaborado por Descartes e Leibniz - Deus é necessariamente perfeito e, assim, precisa existir. A ideia de Santo Anselmo é basicamente esta: Sou capaz de, assim como qualquer pessoa com mínima inteligência, conceber o ser do qual não é possível pensar nada maior. Esta ideia está concebida no meu cérebro, portanto existe. Contudo, nem tudo que existe em minha mente existe na realidade. Basta imaginar quimeras, dragões, etc… É forçoso admitir, entretanto, que se algo existe na realidade é maior do que algo que apenas existe no pensamento. Assim, o ser do qual não é possível pensar nada maior forçosamente existe na realidade, simplesmente porque, do contrário, não seria o ser do qual não se pode pensar nada maior.


Simplório raciocínio, no seu entender? Eu diria brilhante em sua singeleza. Afinal, tente desconstituí-lo. Gaunilo, um monge contemporâneo de Santo Anselmo, tentou. Com seu “Livro em Favor de um Insipiente”, embora reconhecendo o valor da maior parte do que está contido no Proslógio, buscou contestar o argumento ontológico de Santo Anselmo. Disse Gaunilo ( não exatamente com estas palavras ) que, se alguém afirmasse que no meio do oceano há uma ilha fantástica, onde não se envelhece, correm rios de leite e outras maravilhas, eu posso conceber esta ilha mágica em meu pensamento. E isso não faz com que ela exista na realidade. Por outra, a Ilha Mágica é a quimera antes referida. A argumentação não incomoda Santo Anselmo, simplesmente porque a Ilha Mágica ou qualquer quimera não é o ser do qual não é possível pensar nada maior e, portanto, não precisa, por raciocínio lógico, existir na realidade.


É interessante a leitura do Proslógio. Sem dúvida, recomenda-se a leitura. Você verá com que graça e sutileza Santo Anselmo demonstra como não é possível pensar que Deus não existe - uma boa leitura para ateus. Como, mesmo sendo onipotente, algumas coisas lhe são impossíveis. Como é possível conciliar a justiça divina com sua misericórdia. É bem verdade que, por vezes Anselmo derrapa, como no capítulo XIV, quando propôs-se a explicar algo e não o fez.

No capítulo V lança afirmações como estas: é melhor ser justo do que não justo… E adiante: Deus é o que de maior se pode pensar e por isso mesmo extrapola o mero pensamento. E no capítulo VI: Deus é sensível sem ser corpo porque conhece todo sentimento na mais alta profundidade e conhecer é sentir. Todas afirmações valorosamente defendidas, mas não exatamente demonstradas no Proslógio. Nada disso, porém, diminui o valor da obra.


Não se trata aqui de sugerir a leitura para incentivar alguém a aderir à fé cristã. Eu não aderi. Trata-se simplesmente de pensar questões importantes, entre elas a mais importante de todas: Deus existe?



Santo Anselmo é, com justiça, considerado o fundador da escolástica. Nascido em 1033 no norte da Itália, seguiu por muitos anos os passos de seu mestre, Lanfranco. Tornou-se abade de Bec, ganhou fama por seus estudos e chegou a ser arcebispo de Cantuária. Por enfrentar a autoridade dos reis ingleses, por duas vezes conheceu o exílio. Morreu em 1109. Ainda no Século XII, foi canonizado. Em 1720 foi proclamado doutor da igreja em bula do papa Clemente XI.



Proslógio - Santo Anselmo

Coleção “Os Pensadores”, Vol. V, 1ª edição, 1973.

Victor Civita Edições.


コメント


bottom of page