top of page

NATAL CURITIBANO



O espírito natalino chegou, e o cronista se pergunta: Mudou o Natal ou mudei eu?



Imagem de Hatsuo Fukuda.


Percorro a Rua XV e vejo que o espírito natalino se instalou, finalmente. Desde outubro, alguns comerciantes afoitos já anunciavam a chegada do Papai Noel, com a Black Friday. Agora, todos, comerciantes e fregueses concordam: É Natal.


A roda gigante, que no ano passado se instalara na Praça Santos Andrade, agora está na Boca Maldita. Uma longa fila de famílias aguarda sua vez, o final da fila quase na Rua Ébano Pereira. A feirinha natalina da Praça Osório está lotada, com o pessoal comendo nas barraquinhas e se acotovelando em busca das bugigangas para o amigo secreto. Haja bugiganga. Um saxofonista toca animado Bella Ciao.



O partigiano, portami via/Oh bella ciao, bella ciao/O partigiano, portami via/

Che mi sento di morir



Seus longos cabelos lisos se agitam ao ritmo da canção. Como cenário (não poderia ser melhor), o chafariz da Praça Osório. Paro para ouvir e me delicio com o burburinho e a movimentação das pessoas. São quase sete horas da noite, o sol já se pôs e começou a soprar a brisa da noite, refrescante. O caminhante sem rumo agradece. Um presente da natureza, dado sem contrapartidas. Obrigado, Senhor.


Curiosamente, não ouço canções natalinas nesta minha caminhada. Passo por vários músicos de rua, mas nenhum deles está tocando Noite Feliz, ou, minha preferida, a mais melancólica das canções natalinas, já tão melancólicas, Boas Festas, de Assis Valente. Ele a compôs em um quarto de hotel, solitário, em uma das escapadas regadas a álcool e depressão. Tornou-se um clássico brasileiro.



Anoiteceu, o sino gemeu/E a gente ficou feliz a rezar/Papai Noel, vê se você tem/A felicidade para você me dar



Mas a turma não quer felicidade, quer presentes mais palpáveis, de preferência, eletrônicos trazidos pela Shein ou Ali Express. Bem-vindo ao mundo, véio.


Como não tenho dinheiro, o cheiro de comida me deixa com fome. Fica para a próxima. Roerei meu pão seco mais tarde.


Um casal faz uma selfie na frente do laguinho patético entre a Marechal e Dr. Murici, agora transformado em árvore de Natal da Boticário (que também patrocina a roda gigante). A moça faz charminho para ele. Eles não precisam de Papai Noel. O presente chegou adiantado. Passo rápido, um gosto de inveja na boca. (Para quem não provou: é amargo. Duro de engolir).


Cruzando a Marechal, uma súbita mudança de ares. Lojas fechadas, pessoas caminham rápido em direção a algum lugar. Nada de selfies, nada de brincadeiras. Alguns moradores de rua, deitados na galeria do Plano Agache, preparam-se para a noite. Um grupo está imbuído do espírito natalino, com violão e uma garrafa passando de mão em mão. Passando a Monsenhor Celso até a Presidente Faria, quase todas as lojas estão fechadas, entre elas a Confeitaria das Famílias. São sete horas da noite, e o espírito natalino dos comerciantes naquele trecho só vai até as seis horas da tarde. Temem as suspicazes figuras da noite.


Como diria o bruxo do Cosme Velho (Machado de Assis, para os íntimos): “Mudaria o Natal ou mudei eu?

Sigo apressado meu caminho, sem trilha sonora. Também eu os temo, as suspicazes figuras da noite.

コメント


bottom of page